terça-feira, 18 de abril de 2006

Ironia...

A lamentável morte do actor Franscisco Adam, o "Dino" de "Morangos com Açucar" é assim como um balde de água gélida que vem acordar uma geração que anda adormecida no sono do facilitismo e de um estilo de vida hedonista, oco e sem consequências. Para além das lágrimas próprias da instabilidade adolescente de milhares de meninas por esse país fora, a juventude portuguesa toma consciência que as coisas não são bem como a televisão pinta. A realidade suplanta sempre a ficção - é um clichê, eu sei - mas neste momento, muitos daqueles que encheram, desesperados, as filas do últmo casting, já perceberam que a vida é muito mais do que morangos. Acordar para a responsabilidade, os valores, o esforço, não deve ser coisa fácil, mas é necessária. E, logo por ironia, havia de ser com o personagem que mais representava o inverso.

6 comentários:

Tiago Cavaco disse...

Queremos o Ronaldinho de volta no Flickr!

Nuno disse...

Ah...pensei que era o Dino!

PR disse...

Não consigo ver porque razão começou a juventude portuguesa a tomar consciência do que quer que seja. É claro que a morte tem sempre o seu impacto. Até no mais responsável e profundo cristão. Toda a gente morre, não vejo qualquer ironia nisso... este post está na linha de "os valores da europa estão em decadência"...

Luisão disse...

Também acho, ó Tiago...

Nuno disse...

Paulo, não creio que seja por aí. A minha chamada de atenção vai no sentido de mostrar que há uma geração a ser "formatada" no estilo "a vida faz-me bem", uma vida sem consequências, fácil, onde é só curtir. A ironia vem do facto que o "Dino" era um dos ícones da novela em termos desta cosmovisão. Se calhar fiz mal em referir a juventude portuguesa como um todo. E a morte do actor, é, como dizes e bem, apenas uma morte, mas o efeito nas cabeças desses miúdos é inegável. Basta ver as reacções. O problema não está na morte em si, mas no que a envolve em termos sociais.

Miguel disse...

Eu quero é o Rondaldino!