quarta-feira, 15 de novembro de 2006

Da praxis cristã

Há por aí muita gente a especular sobre Teologia. É um exercício aliciante, reconheço, principalmente porque reforça muito o ego. E como nos sentimos bem nessa posição, a massajar a nossa própria coluna vertebral. O problema é que é que se trata de um movimento circular, logo, em grande parte redundante. Eu, pessoalmente, prefiro aqueles que vivem Teologia. Não há nada de especial, estridente ou academicamente elaborado nisso. Pelo contrário, o processo implica esvaziamento, humilhação e morte. É caminho recto, íngreme que aponta directamente aos pés da Cruz, que é o lugar onde precisamos, continuamente, estar.

6 comentários:

Ego ipse disse...

100% a favor!!!
"Pois não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor; e a nós mesmos como vossos servos por amor de Jesus." IICorintios 4:5

Tiago Cavaco disse...

Ó Nuno,
que é como quem diz que tu não aprecias a "especulação" teológica e que preferes os "que vivem Teologia" (fica por explicar o que é que isto quer dizer), optas pelo "processo (que) implica esvaziamento, humilhação e morte" e o "caminho recto, íngreme que aponta directamente aos pés da Ceuz" e nós, somos os "redundantes" que "nos sentimos bem nessa posição, a massajar a nossa própria coluna vertebral", saíndo de ego reforçado.
Para humildade e asserção teológica não estás nada mal.

Daniela Mann disse...

Mas porque é que a carapuça serviu ao Tiago? Vocês picam-se? he he he he he he he
Eu tenho dias! Se estou numa de especular, até acho interessante porque o saber não ocupa lugar, mas, sempre... naaaa
Agora viver na teologia tem mesmo que ser, isso não há dúvida! Depois há coisas que nem vale a pena pensar muito nelas porque por muito que saibamos, na hora da verdade até temos uma branca e é o Senhor que fala por nós.
Beijinhos para vocês todos.

PS: Olha, da maneira que autorizas os comentários, o meu link vai sempre parar a um blog que tenho no blogspot, sem grande interesse! O meu vip é: www.amar-ela.com

Nuno disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nuno disse...

Tiago:

De facto, não aprecio muito a especulação, sobretudo se ela não conduzir a lado algum, o que penso que acontece na maioria das vezes. Isso não implica que as pessoas envolvidas sejam redundantes. O exercício da especulação, sim. Eu mesmo vejo-me algumas vezes nesse papel, e acredito que ele serve muitas vezes o nosso próprio interesse. Por isso escrevi: "e como nos sentimos bem nessa posição" e "nossa própria coluna vertebral". É um fim em si mesmo. Também não defendi a outra posição com atitude arrogante, por achar que sou melhor, pelo contrário, tenho muito pouco para dar. Se tivesse isso como um dado adquirido não precisade escrever: "onde precisamos continuamente estar". Se o dei a entender, deixo as minhas desculpas. A Vivência da teologia, na forma como eu a entendo, pareceu-me ter ficado explicada no post. Esse caminho, cada um terá de o percorrer e experimentar por si mesmo, não existem fórmulas. Uma última nota, quando me refiro aos que vivem teologia não faço com a intenção de colocar a tónica na minha própria pessoa mas em outros que me estão próximos.
Abraço

Tiago Cavaco disse...

Ó Patrícia,
a nossa família é cheia de debates teológicos. Business as usual.
Nuno,
o problema do post que escreves é que receio que ele traduza, mesmo que sem a tua intenção, um simplismo em distinguir Teologia (enquanto ciência inútil e que serve a vaidade humana) da sua vivência. A prova disso é que fica fácil fazer a leitura do primeiro comment que aqui deixei.
Faz-me recordar a velha preguiça intelectual baptista que conheci nos meus tempos do Seminário. Por achar que esse não é o teu nível é que me senti na obrigação de enfiar a carapuça e dizer-te.
Abraço.