terça-feira, 24 de julho de 2007

Eles falam, falam, falam...

«Porque o nosso evangelho não chegou até vós tão-somente em palavra, mas, sobretudo, em poder, no Espírito Santo e em plena convicção» 1 Ts 1:5

Há quem pense, dentro do meio evangélico, que impressiona e esmaga as suas audiências com exercícios de habilidosa retórica. Como se a forma influenciasse o conteúdo.
Paulo, era um dos que podia ter, facilmente, entrado neste esquema. A sua instrução farisaica aliada ao conhecimento das técnicas gregas do discurso retórico, dar-lhe-iam as ferramentas adequadas a tal. O curioso é que, dirigindo-se aos cristãos de Tessalónica, o apóstolo realça a importância superlativa do poder do Espírito sobre as palavras, como forma de deixar gravado nos seus corações a matriz da Evangelho.
No poder do Espírito, as palavras, mesmo as mais simples são sempre eficazes. Porém, na ausência do Espírito, por mais eloquentes que sejam, as palavras são sempre ocas.
Na incapacidade de se apropriar do poder do Espírito elabora-se o discurso. Quanto mais se elabora o discurso menos se verá o poder do Espírito.

6 comentários:

Paula disse...

Totalmente de acordo! hehe
A melhor forma de preparar um "discurso" é de joelhos dobrados.

Hadassah disse...

Acontece-me muitas vezes sair abençoada de um culto dirigido por obreiros menos instruídos, mas cheios de convicção e do Espírito. E fascina-me como se tornam tão sábios, quando fazem uso da Palavra de Deus (na AD há uns quantos)...

..caRla.. disse...

o que eu mais gosto é quando não existe uma ordem de culto feita no papel e existe sempre alguém que faz o comentário cheio de ironia do tipo "o culto hj vai ser dirigido pela inspiração divina" seguido de um riso igualmente irónico. porque será que isto me irrita? lol

e a pessoa ainda acha que tem razão na ironia que faz! bbrrr

Raquel HHU disse...

Concordo com tudo excepto com a generalização na última frase. Raramente as generalizações são completamente verdadeiras, Nuno.

Sara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nuno disse...

Raquel, não se trata de uma generalização, no meu entender. Apenas uma conclusão da frase anterior. Não digo que não existam discursos elaborados inspirados. Mal de mim. É dito dentro da lógica do post.